Agachamento Total ou Parcial?

O Exercício mais utilizado

O Agachamento é um dos exercícios mais utilizados nas salas de exercício e em programas de condicionamento tanto em sujeitos normais como em atletas.

Vários estudos já demonstraram que a amplitude de movimento (ADM) altera a cinética, a cinemática e a atividade muscular nos membros inferiores como foi o caso de Caterisano (2002) ou Bryanton (2012).

Dado este contexto, é importante ter em atenção alguns aspetos estudados anteriormente por diversos autores, tais como:

  • Independentemente da ADM utilizada, o volume muscular dos Isquiotibiais não se altera (Bloomquist, 2013);

  • A atividade electromiográfica do Glúteo Máximo é maior no agachamento profundo (Caterisano, 2002) e o aumento de massa muscular também (Kubo, 2019);

  • O Quadricípete hipertrofia de forma idêntica comparando as 2 versões do agachamento (Kubo, 2019);

  • Os Adutores (Curto, Longo e Magno) hipertrofiam mais quando o agachamento é profundo (Kubo, 2019);

  • Os ganhos de força são específicos dos ângulos treinados (sujeitos que treinam agachamento parcial ganham mais força no agachamento parcial e vice-versa) (Kubo, 2019).

Avaliação Funcional

Antes de escolher qualquer variação, o treinador deve ter presente que o Exercício deve ser escolhido em função do cliente e nunca o oposto.

Neste sentido, é imperativo conhecer bem o cliente que irá executar o exercício e ter em consideração um conjunto de questões antes de escolher a variação mais adequada a executar do agachamento, como por exemplo:

  • Nível de domínio técnico do Cliente;

  • Alteração da curvatura fisiológica da coluna (especialmente da zona lombar, butt wink);

  • ADM que o sujeito controla e tem disponível (principalmente na articulação da Coxo-femural);

  • Especificidade (ex: desporto praticado pelo cliente);

  • Objetivo do Exercício (ex: músculos-alvo).

Em conclusão, nenhuma das versões (Agachamento Profundo ou Parcial) é, à partida, melhor do que a outra.

A escolha da versão a realizar deve ser feita de forma consciente, de acordo com a especificidade de cada cliente e deve depender de um conjunto de  diversos fatores. O Exercício é que se deve adaptar ao Cliente e não o inverso.

Joel Simplício
Joel Simplício

Licenciado em Ciências do Desporto
Fundador Dr. Runner

Gostaste deste artigo? Partilha com os teus amigos :

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Centro Formação CEFAD
Centro Formação CEFAD

Deixa um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Índice
Dicas CEFAD

Dicas em Destaque

Newsletter CEFAD setembro 2022

3ª Newsletter: setembro 2022

3ª Edição da Newsletter CEFAD O período que estamos a viver éparticularmente importante para o CEFAD, poisestamos a comemorar a passagem do nosso30º aniversário. Nesta edição, para além das crónicas habituais, também podes encontrar informação exclusiva sobre os próximos eventos do CEFAD. Boa Leitura! Abrir Newsletter Facebook Instagram Linkedin Youtube Voltar Newsletter Próximos Cursos

Dicas CEFAD Foco Interno VS Foco Externo

Foco Interno vs Foco Externo

“Levanta a barra”, “Contrai o Grande Dorsal”, “Abre o peito para a frente”, “Concentra-te no abdominal”, são algumas das dicas utilizadas pelos treinadores para conduzir o processo e corrigir movimentos, porém muitas vezes não damos a devida atenção ao foco atencional que está a ser utilizado uma vez que o mesmo pode influenciar o resultado

Dicas CEFAD Elavação Lateral

Elevação lateral

Descobre as diferenças e o porquê da sua prescrição personalizada Análise Biomecânica aos exercícios É muito importante perceber o porquê (neste caso específico e não só) de prescrever um determinado exercício, analisar e identificar todas as forças que vão atuar sobre a nossa estrutura articular, muscular e perceber como isso pode afetar quer positivamente ou

Scroll to Top