Ligaduras Neuromusculares: os seus efeitos

É inegável a popularidade das ligaduras neuromusculares, particularmente no contexto desportivo. As fitas cinesiológicas são cada vez mais usadas por atletas de todos níveis e escalões, desde a elite olímpica aos weekend warriors.

No artigo sobre Ligaduras musculares: como funciona, explicamos o que são estas ligaduras e como funcionam. Sendo um tema bastante procurado, voltamos a explorar mais curiosidades sobre estas ligaduras “mágicas”.

Ligaduras Neuromusculares Blog Dicas CEFAD

Apesar do crescimento desmedido nos últimos anos, existe ainda um debate considerável sobre a eficácia clínica da ligadura. Portanto, é sobre este tópico que nos vamos debruçar.

Os benefícios associados à utilização da ligadura neuromuscular, antecipa um acréscimo de valor clínico de elevado impacto nos resultados:

  • Reduz a dor, edema e rigidez

  • Melhora a função

  • Atrasa o início da fadiga muscular e cãibras

  • Facilita o retorno precoce à atividade ou desporto

Na sequência do que se indica acima pode eventualmente extrapolar-se que terão também uma ação que poderá promover uma melhoria da postura e do rendimento por contribuírem, por exemplo, para melhor gestão de quadros álgicos.

Mas o que nos mostra a evidência?

Temos que salientar que esta evidência ainda se encontra numa fase muito precoce, no entanto, existem sinais muito encorajadores de pesquisas, bem como um crescente grupo de estudos académicos independentes que sustentam os efeitos positivos da ligadura:

  • Melhora a função em condições dolorosas como fascite plantar e dor patelo-femoral [1, 2]

  • Eleva o limiar anaeróbico do músculo durante a atividade de endurance. [3]

  • Melhora a força dos músculos não lesionados e reduz a dor [4,5,6].

  • Melhora a dor, a amplitude do movimento e a função [7, 8, 9]

  • Estimula o sistema somatossensorial e aumenta o input mecânico e proprioceptivo, inibindo, activando ou facilitando a contração muscular [11, 12]

Existem 3 tipos de efeitos produzidos pelas Ligaduras Neuromusculares:

1. Efeito fluido

As propriedades elásticas da fita cinesiológica induzem uma elevação vertical da pele (através da formação de rugas) a partir do tecido subjacente, descomprimindo o espaço entre a pele e o músculo (espaço subcutâneo) que contém terminações nervosas e vasos sanguíneos.

Esta descompressão promove melhoria do fluxo sanguíneo e linfático que se mostra vital numa melhor remoção dos produtos metabólicos associados à contração muscular e em caso de dor, numa mais eficaz eliminação de todos os algógenos profundos.

2. Efeito mecânico

A ligadura possui propriedades de alongamento longitudinal de cerca de 140-180%, semelhantes às propriedades de alongamento da pele, músculo e tecido conjuntivo. Desta forma adiciona estabilidade e conhecimento do alongamento aos músculos, ligamentos, tendões e articulações.

Também pode ter um papel na restauração da mecânica normal de “slide and glide” entre camadas de tecido.

3. Efeito neurológico

A presença da ligadura na pele gera um estímulo sensorial local, que de acordo com a teoria das comportas (gate control), irá favorecer uma dessensibilização da área, fazendo com que diminua a perceção dolorosa.

As propriedades descompressivas da ligadura reduzem a pressão e a compressão nas terminações nervosas da pele.

A colocação da ligadura sobre os músculos realmente tensos parece reduzir a resposta ao alongamento, fazendo com que diminua a tensão e a dor.

A fita cinesiológica colocada sobre tecido inibido, doloroso e lesionado atuará para ajudar a estabilização “ativa” do corpo, alterando a atividade e o feedback dos nervos na pele e no tecido subjacente.

Contraindicações

Existem contraindicações e precauções específicas sobre a colocação destas ligaduras neuromusculares. Por isso, e tendo em conta a individualidade de cada indivíduo, deve ser realizada uma avaliação prévia para eventual aplicação de ligaduras neuromusculares.

As principais Contraindicações no uso de Bandas Neuromusculares são:

  • Diabetes;

  • Tromboses venosas;

  • Feridas;

  • Carcinomas;

  • Traumatismos graves;

  • Alergia;

  • Gravidez.

Curso de Ligaduras Neuromusculares CEFAD

O Centro de formação CEFAD orgulha-se de assumir um compromisso com a promoção do conhecimento científico sobre os efeitos positivos das ligaduras neuromusculares.  Deste modo, as nossas formações são sempre suportadas numa aprendizagem e no conhecimento resultante da experiente prática dos nossos formadores.

Com esta opção no leque dos teus recursos clínicos, conjugarás as tuas habilidades de avaliação e diagnóstico com a tua capacidade de análise do movimento humano, com o fim de conceberes uma abordagem mais global e integradora, tornando-te num(a) profissional mais qualificado.

Bibliografia:

  1.  Chen,W., Hong, W., Huang, T.F., & Hsu, H., (2007) Effects of kinesio taping on the timing and ratio of vastus medialis obliquus and vastus lateralis for person with patellofemoral pain. Journal of Biomechanics. 40(S2), S318.
  2. Chien-Tsung Tsai et al. (2010) Effects of Short-term Treatment with Kinesiotaping for Plantar Fasciitis. Journal of Musculoskeletal Pain. 18 (1) 71-80.
  3. Dae-Young K, Byoung-Do S. (2012). Immediate Effect of Quadriceps Kinesio Taping on the Anaerobic Muscle Power and Anaerobic Threshold of Healthy College Students. Journal of Physical Therapy Science. Vol. 24 Issue 9, p919.
  4. Fratocchi, G et al. (2012). Influence of Kinesio Taping applied over biceps brachii on isokinetic elbow peak torque. A placebo controlled study in a population of young healthy subjects. Journal of Science and Medicine in Sport. July 2012.
  5. Kalron A, Bar-Sela S. (2013) A systematic review of the effectiveness of Kinesio Taping® – Fact or fashion? Eur J Phys Rehabil Med. 2013 Apr 5.
  6. Wong, O. M. H., et al., Isokinetic knee function in healthy subjects with and without Kinesio taping, Physical Therapy in Sport. (2012), doi:10.1016/j.ptsp.2012.01.004.
  7. Hsu, Y., Chen, W., Lin, H., Wang, W.T.J., & Shih, Y., (2008). The effects of taping on scapular kinematics and muscle performance in baseball players with shoulder impingement syndrome. Journal of Electromyography and Kinesiology. 19, 1092-1099.
  8. Thelan, Dauber & Stoneman (2008). The Clinical Efficacy of Kinesio Tape for Shoulder Pain: A Randomised, Double-Blinded Clinical Trial. Journal of Orthopaedic and Sports Physical Therapy. 38 (7) 389-395.
  9. Simsek et al. (2013). Does Kinesio taping in addition to exercise therapy improve the outcomes in subacromial impingement syndrome? A randomized, double-blind, controlled clinical trial. Acta Orthop Traumatol Turc. 47(2):104-110.
  10. Yoshida, A.& Kahanov, L., (2007). The effect of kinesio taping on lower trunk range of motions. Research in Sports Medicine. 15 103-112.
  11. Lemos, T. V., Júnior, J. R., Santos, M. G., Rosa, M. M., Silva, L. G., & Matheus, J. P. (2018). Kinesio Taping effects with different directions and tensions on strength and range of movement of the knee: a randomized controlled trial. Brazilian Journal of Physical Therapy , pp. 1-8.
  12. Kaltenborn, J. M. (2007). Kinesio Taping®, Part 1: An Overview of Its Use in Athletes. Athletic Therapy Today. San Jose, Estados Unidos da América.
Scroll to Top