Ligaduras Neuromusculares: como funcionam

Dicas CEFAD Quiromassagem

O que são Ligaduras Neuromusculares?

As Ligaduras Neuromusculares são bandas de tecido, elásticas, adesivas e resistentes à água e transpiração.

O seu “encanto” encontra-se na elasticidade que possuem, porque procura mimetizar a da pele humana. A nossa pele possui uma grande diversidade de recetores à superfície e não nos devemos esquecer dos mais profundos, com as mais diversas funções e ligações ao Sistema Nervoso Central.

Quando colada, esta ligadura vai ativar estes recetores, provocando um determinado efeito na pele ou no músculo. Assim, esta banda vai aumentar a estimulação ou inibir um determinado músculo ou grupo muscular. Neste sentido, irá produzir-se um efeito neurofisiológico.

Para que servem?

Apesar de só recentemente começarem a ser divulgadas, estas ligaduras foram criadas há mais de 30 anos. Normalmente, são utilizadas para auxiliar na recuperação de uma lesão.

Existe um grande leque de situações em que estas ligaduras podem ser aplicadas, sendo que, por vezes, torna-se difícil referir condições concretas, porque não se pretende tratar determinado problema, mas sim, intervir sobre um determinado sintoma ou sinal desse problema.

De uma forma geral, podemos dizer que é frequente serem aplicadas em roturas musculares e em dor lombar de várias origens.

As ligaduras não devem ser aplicadas pelo próprio. Contudo, se for um profissional de saúde e formado nesta técnica, a resposta será diferente. É importante salientar que a maioria não o poderá fazer.

Nem todas as pessoas têm conhecimentos para aplicar uma ligadura, porque é necessário ter conhecimentos anatómicos e de anatomia palpatória que não se adquirem através de vídeos nas Redes Sociais.

Quando se coloca uma ligadura, por exemplo, num joelho, pretende-se que esta se sobreponha em certas estruturas, cuja forma e localização difere de qualquer outro joelho, também é importante que esta, por exemplo, inicie e acabe em determinado sítio, ou até que se esquive de uma determinada zona.

A ligadura a aplicar é sempre criada no momento, e a sua forma e tamanho tem em conta o efeito a produzir, o tamanho do local do corpo a cobrir ou outras contingências.

Conclusão

A aplicação desta técnica depende de um conhecimento anatómico prévio, e dos efeitos da própria ligadura mediante a forma como é aplicada. Assim, é importante que esta seja aplicada por um profissional devidamente qualificado, de uma forma específica para uma pessoa específica.

Dicas CEFAD Como colocar Ligaduras Neuromusculares

Agora que já entendes melhor o funcionamento das Ligaduras Neuromusculares, compreendes a importância de adquirir conhecimentos técnicos e práticos.

Só assim serás capaz de desenvolver as funções de forma eficiente, segura e adequada – e ter sucesso na profissão.

Inscreve-te no nosso Curso de Ligaduras Neuromusculares, é uma das formações recomendadas para Massagistas Terapêuticos Desportivos.

Gostaste deste artigo? Partilha com os teus amigos :

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Centro Formação CEFAD
Centro Formação CEFAD

Deixa um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Índice
Blog Posts em Destaque
Dicas CEFAD a osteopatia photo

A Osteopatia

Ao sentir-se dores do corpo causadas por problemas nas articulações, ossos e músculos, a primeira solução que se procura, muitas vezes, é a toma de medicamentos ou a realização de cirurgias. No entanto, existem opções de tratamento menos invasivas, como a Osteopatia. Em consulta, o profissional deve avaliar a situação do paciente por meio do

Dicas CEFAD Massagem Transversal-

Massagem Transversal Profundas e as Tendinopatias

Uma tendinopatia, ou também por muitos conhecida por tendinite, é uma lesão no tendão, geralmente por estar sujeito a uma grande carga mecânica, caraterizada pela dor, edema e por vezes presença de inflamação. É uma lesão prevalente em todas as idades e géneros, contudo é mais comum em pessoas ativas e, principalmente, atletas. O excesso

Exercise in Health and Illness Dicas CEFAD-01

Exercício Físico na Saúde e na Doença

A expressão “na saúde e na doença” aplica-se normalmente noutro contexto, mas pode-se muito bem aplicar ao exercício físico, por ser uma ferramenta poderosa na prevenção e promoção da saúde, bem como coadjuvante terapêutico numa série de condições clínicas. A evidência científica é inquestionável. Ao longo do artigo pretendo alertar para a pandemia da inatividade

Scroll to Top